Seções
Você está aqui: Página Inicial Notícias Cerâmica sustentável

Cerâmica sustentável

Cerâmica sustentável

 

 

Escrito por Tatiane Liberato   
Seg, 24 de Abril de 2017 09:47

DSC 0088 reduzidaUma cerâmica do tipo monoporosa, utilizada para o revestimento de paredes internas de edificações, que emite cerca de 50% a menos de CO2 na atmosfera durante a sua fabricação, quando comparada com um azulejo tradicional. Se configura, dessa maneira, como um produto de maior sustentabilidade ambiental, tendo em vista que as emissões de dióxido de carbono estão diretamente associadas com o efeito estufa e o aquecimento global. Essa tecnologia é fruto de um trabalho desenvolvido pelos pesquisadores Anselmo Ortega Boschi e Fábio Gomes Melchiades do Laboratório de Revestimentos Cerâmicos do Departamento de Engenharia de Materiais (DEMa) da UFSCar em parceria com o Centro de Revestimento Cerâmico (CRC) – empresa privada criada pelo ex-aluno. A tecnologia foi originalmente criada através de trabalhos exploratórios no CRC durante 1 ano e, posteriormente, contou com o apoio de um projeto Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), financiado pela FAPESP.

 

A patente intitulada Processo de fabricação de material cerâmico com emissão reduzida de CO2 possui a mesma aplicação e desempenho técnico de azulejos cerâmicos utilizados para o revestimento de paredes internas de ambientes residenciais, comerciais e industriais. Entretanto, para que as emissões de CO2 sejam reduzidas, a tecnologia apresenta dois diferenciais em relação aos revestimentos cerâmicos convencionais: é fabricada por um processo denominado via seca, que consome aproximadamente 25% menos de gás natural; e sua composição de massa é isenta de carbonatos, já que as monoporosas tradicionais costumam utilizar de 10% a 15% de carbonatos.

 

Como a queima do gás natural emite CO2 na atmosfera, além da redução dos custos de fabricação por conta do menor consumo de gás, as emissões atmosféricas de CO2 também diminuem. No caso dos carbonatos, que se decompõem durante a queima, aproximadamente metade de suas massas se convertem em CO2 que é emitido na atmosfera após a reação. Como o produto desenvolvido não utiliza carbonatos em sua formulação, as emissões de CO2 acabam sendo consideravelmente reduzidas.

 

De acordo com o pesquisador e ex-aluno da UFSCar, Fábio Melchiades, a patente que levou cerca de três anos para ser desenvolvida, foi inspirada pela experiência dos pesquisadores na área de revestimentos cerâmicos, identificando a necessidade de desenvolver produtos que trouxessem menos impacto ao meio ambiente. “Durante o meu doutorado na UFSCar, nosso grupo de pesquisa já havia trabalhado com a adaptação do processo via seca para a fabricação de porcelanatos, o que nos indicou a possibilidade de fabricação de produtos mais sustentáveis e competitivos”, declarou.

 

Em termos de qualidade, a tecnologia apresenta as mesmas propriedades de azulejos convencionais e atende todos os requisitos especificados pela normalização. Entretanto, o pesquisador explica que seu grande diferencial está na sustentabilidade ambiental: as emissões atmosféricas de CO2 associadas à fabricação das monoporosas convencionais são da ordem de 250 g CO2/Kg de produto fabricado, ao passo que o produto desenvolvido deve emitir cerca de 110 g CO2/ Kg de produto fabricado. “Ou seja, isso representa uma redução superior a 50% das emissões de CO2 envolvidas na fabricação de um produto que apresenta propriedades semelhantes. Em função do menor consumo de gás natural, estimamos que os custos de fabricação do produto desenvolvido também sejam menores”, afirmou.

 

Considerando que o desenvolvimento da patente foi recentemente concluído e a tecnologia já está disponível para fabricação, neste momento, os pesquisadores buscam a realização de testes industriais para despertar o interesse das indústrias cerâmicas em seu potencial mercadológico. Eles já receberam contato de empresas da cidade de Santa Gertrudes, a 70 Km de São Carlos, que é o maior polo de fabricação de revestimentos cerâmicos da América Latina, e constitui o ambiente ideal para a disseminação desse tipo de tecnologia. Além disso, os pesquisadores acreditam que a consciência ambiental dos consumidores está mudando e fazendo com que esses produtos sejam cada vez mais valorizados no mercado nacional. “A sustentabilidade é uma necessidade global. Por isso, diversas legislações estão impondo limites para as emissões atmosféricas de gases ligados ao efeito estufa. Isso torna a nossa tecnologia ainda mais atrativa no mercado brasileiro e, inclusive, internacional”, finalizou.

 

A invenção foi divulgada no Jornal da EPTV recentemente e está disponível neste link.

 

DSC 0005 reduzida

O Centro de Revestimentos Cerâmicos (CRC) está localizado no Parque Ecotecnológico Damha


Fonte: 

http://inovacao.ufscar.br/vitrine-de-tecnologia/4053-ceramica-sustentavel

 

Ações do documento